quarta-feira, 18 de outubro de 2017


IAF manifesta preocupações com o Programa do Caça de Quinta Geração (FGFA)


2543

38

Concepção do FGFA, baseado no PAK FA/T-50, recentemente designado como Su-57 na Rússia

O governo Narendra Modi agora tem um problema nas mãos. O Programa Indo-Russo de Caça de Quinta Geração (FGFA) foi planejado há uma década e vários bilhões de dólares foram gastos pelos dois países no seu projeto e desenvolvimento.
No que diz respeito à Força Aérea da Índia, o FGFA faz parte do seu futuro. Mas com a IAF passando ao governo suas dúvidas sobre o projeto por escrito, o governo Modi terá um problema nas mãos. Aceitará a opinião da IAF e encerrará o programa em que investiu fortemente por anos? Isso se torna complicado, pois os russos ainda são o aliado militar mais próximo da Índia e a decisão de não avançar pode enfraquecer os laços. Também haverá, com certeza, pressão dos russos. Continuar com o programa também faria a Força Aérea infeliz.
Juntamente com um relatório do Air Marshal S Varthaman (reserva), a Força Aérea enviou uma nota ao Ministério da Defesa. A nota é redigida pelo Chefe Adjunto da Força Aérea (Planos) Air Vice Marshal BV Krishna. Mas enquanto o relatório de Varthaman parece apoiar o projeto, os documentos de Krishna levantam dúvidas. Naturalmente, o governo terá que levar em conta o que a Força Aérea quer e neste ponto, a IAF não parece muito interessada.
Arun Jaitley, o então ministro da Defesa, já assistiu a uma apresentação sobre o assunto. Em uma coletiva de imprensa recente, o Air Chief Marshal BS Dhanoa se recusou a falar sobre o assunto, dizendo que era reservado. Mas vários pontos sobre a insatisfação da Força Aérea com o avião emergiram:

PAK FA Su-57

1. A área de superfície da seção transversal do radar, de acordo com os russos, será menor que 0,5 metro quadrado. A IAF não tem certeza de que será assim. Em qualquer caso, há uma crença de que deve ser de 0,2 metro quadrado, comparável com o F-35, o avião de combate americano. Quanto maior a seção transversal, mais visível o avião é para os radares, tornando mais fácil localizá-lo e acertá-lo com mísseis. Uma seção transversal maior torna-o mais vulnerável.
2. A IAF parece ter dúvidas sobre o desempenho do motor. Um propulsor é mais fácil de se manter se seguir o “conceito modular”. Parece que não há certeza se será assim.
3. Existe também a questão da manutenção. Os aviões russos geralmente são mais baratos, mas eles custam mais quando se trata de manutenção. O FGFA, no entanto, tem sido um avião caro para se desenvolver e ainda está longe de estar pronto. Inicialmente, falou-se que o avião estaria pronto até 2017 e depois, 2019. Isso parece improvável agora.
A nota veio na sequência do relatório de Varthaman, que deu ao caça de quinta geração o sinal verde. A Força Aérea, a DRDO, a ADA e a HAL fizeram parte do estudo.
Agora, fontes de alto nível disseram que uma decisão política deve ser tomada.
A Índia e a Rússia eram aliados estratégicos-militares e este programa era parte do futuro em relação aos dois países. A Rússia forneceu à Índia um submarino com propulsão nuclear, um ponto que seus oficiais costumam lembrar. Mas com a Força Aérea não muito feliz com o FGFA, cabe ao governo decidir se o acordo continua ou não.
A decisão também deve ser tomada no mais alto nível. Há algumas preocupações sobre o que acontecerá se o negócio acabar. Será que os russos jogariam duro no acordo do sistema de defesa aérea S-400? Este sistema é algo que a Índia quer.
FONTE: idrw.org
http://www.aereo.jor.br/2017/10/18/iaf-manifesta-preocupacoes-com-o-programa-do-caca-de-quinta-geracao-fgfa/
http://www.cavok.com.br/blog/helicoptero-uh-60j-da-forca-de-autodefesa-aerea-do-japao-desaparece-durante-voo-no-pacifico/
https://airway.uol.com.br/qantas-vai-voar-da-australia-ate-os-eua-usando-biocombustivel/

Viracopos é eleito pela 2ª vez consecutiva o melhor aeroporto do Brasil


Imagem: Divulgação / ABV Aeroportos Brasil Viracopos.
O Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas, São Paulo, foi eleito pela sexta vez o melhor terminal aéreo do país na pesquisa de satisfação de passageiros realizada pela Secretaria de Aviação Civil (SAC). No trimestre passado, o aeródromo campineiro também ficou com a primeira colocação. O estudo entrevistou 13.649 passageiros no embarque e no desembarque dos 15 principais aeroportos do Brasil nos meses de julho, agosto e setembro deste ano. O anúncio foi feito nesta quarta-feira, 18/10.


Na satisfação geral dos passageiros, Viracopos atingiu a nota 4,78, em uma escala que vai de 1 a 5. No primeiro trimestre deste ano Viracopos havia ficado na 4ª colocação com 4,47. Já na pesquisa do segundo trimestre deste ano, Viracopos ficou em primeiro, mantendo a colocação no terceiro trimestre. A média geral dos 15 aeroportos foi de 4,38.
O diretor-presidente de Viracopos, Gustavo Müssnich, considera que esta avaliação reflete os esforços da equipe em busca da excelência nos serviços prestados no aeroporto. “Esta é a sexta vez que Viracopos conquista este importante reconhecimento e a segunda vez consecutiva neste ano de 2017. Recentemente também conquistamos o título de segundo melhor aeroporto de cargas do mundo. Isso demonstra que Viracopos se empenha em melhorar cada vez os serviços oferecidos aos clientes”, disse ele.
“A política de análise da pesquisa de passageiros é a principal ferramenta de Viracopos na gestão empresarial. O passageiro é o foco das nossas atenções”, concluiu o diretor-presidente.

Imagem: Divulgação / ABV Aeroportos Brasil Viracopos.
Metodologia utilizada
A pesquisa dos indicadores aeroportuários de percepção dos passageiros nos aeroportos é coordenada por equipe técnica da SAC, com o apoio do Comitê Técnico de Desempenho Operacional (CTDO) da CONAERO e da Praxian Consultoria Ltda., empresa contratada pela SAC/PR mediante licitação pública, para a coleta de dados.
A coleta de dados qualitativos consiste na realização de entrevista presencial, por meio de questionário padrão, com os passageiros no embarque e desembarque dos 15 principais aeroportos do país. As perguntas formuladas no questionário contemplam os indicadores como conforto, segurança, serviços e facilidades oferecidos, entre outros.
Ao fim do questionário, o entrevistado ainda avalia sua satisfação geral com o aeroporto, também atribuindo nota de 1 a 5.
Movimentação
Viracopos fechou os primeiros nove meses do ano com crescimentos na movimentação de carga e de passageiros em relação a 2016. No terminal de passageiros foram registrados quase 7,1 milhões de passageiros até setembro, número 2,01% acima do total movimentado no mesmo período de 2016.
Já no Terminal de Carga, o crescimento foi de 19,28% de janeiro a setembro em relação ao mesmo período do ano passado. No total, foram movimentados 138,7 mil toneladas de carga na exportação e na importação.

Informações pela Assessoria de Imprensa da ABV Aeroprotos Brasil Viracopos.
http://www.aeroin.net/viracopos-e-eleito-pela-2a-vez-consecutiva-o-melhor-aeroporto-do-brasil/
 Home

GRU Airport é melhor aeroporto do País na categoria acima de 15 milhões de passageiros

O GRU Airport – Aeroporto Internacional de São Paulo – foi apontado como o melhor aeroporto do Brasil na categoria “acima de 15 milhões de passageiros por ano”, de acordo com Relatório de Desempenho Operacional dos Aeroportos, realizado pela Secretaria Nacional de Aviação Civil (SAC).


Em uma escala de 1 a 5, o GRU Airport ficou com a nota de 4,49, com base em 37 indicadores que medem o nível de satisfação dos passageiros. Inúmeros fatores contribuíram para a melhor percepção dos usuários. Por exemplo, o aeroporto passa pelo maior processo de transformação desde o início das operações, em 1985. A construção do Terminal 3 de Passageiros, a ampliação dos pátios de aeronaves e o acesso viário foram as principais obras de infraestrutura realizadas.
Além disso, o maior aeroporto da América do Sul também foi o primeiro do Brasil a receber uma operação regular do Airbus A380. Em outubro de 2015, a Agência Nacional de Aviação Civil – Anac – autorizou o GRU Airport a começar a operar pousos e decolagens do A380 e, desde março de 2017 recebe operações diárias da maior aeronave de passageiros do mundo.
Outras melhorias também merecem ser destacadas:
Pontualidade – O GRU Airport é considerado o segundo mais pontual do mundo, segundo pesquisa Punctuality League 2016 da OAG, uma das consultorias mais prestigiadas do mundo em inteligência de mercado de aviação. No ranking entre os terminais com movimentação acima de 20 milhões de passageiros/ano, o Aeroporto Internacional de São Paulo obteve performance de pontualidade de voos de 85,28% nas partidas, atrás apenas do aeroporto de Haneda, em Tóquio/Japão, com 87,49%
Terminal 3 – Com 192 mil m2 – área maior que as dos demais terminais somadas, o Terminal de Passageiros 3 (TPS3) é exclusivo para voos internacionais. No local operam companhias aéreas que voam para América do Norte, Europa, África e Ásia, como American Airlines, British Airways, Emirates, Air China, entre outras. A estrutura tem capacidade inicial para receber 15 milhões de passageiros por ano e pátio de aeronaves com 34 posições, sendo que 20 têm pontes de embarque.
Obras de melhorias no GRU Airport – Além da operação do Terminal 3, o GRU Airport destaca o projeto de modernização do Terminal 2. O projeto de retrofit acrescentou 23 mil m² de área operacional (check-in, raio-X, controle de passaporte, restituição de bagagem) e 4,6 mil m² de espaços comerciais. A nova área comercial, após o embarque centralizado, tem 1.750 metros² de área e espaço para 20 lojas, além de ampla área de espera com vista para o pátio de aeronaves. Com essa ampliação, hoje o aeroporto possui capacidade para receber 50,5 milhões de passageiros/ano.
Mais opções para compras e alimentação – O número de estabelecimentos comerciais, especialmente em alimentação, cresceu, significativamente, de 102 para 260, ampliando a oferta para atender os diferentes perfis de público que frequentam o aeroporto;
Pela Assessoria de Imprensa da GRU Airport
http://www.aeroin.net/gru-airport-melhor-aeroport-pais-15-milhoes-pax/

terça-feira, 17 de outubro de 2017


Exército do Líbano recebe primeira leva de aviões A-29 Super Tucano produzidos pela Embraer

POR DIOGO BERCITO

Após quase dois anos de espera o Exército libanês recebeu neste mês a primeira leva de aviões A-29 Super Tucano produzidos em parceria pela brasileira Embraer e pela norte-americana Sierra Nevada. Duas das seis aeronaves compradas já chegaram ao país, segundo relatos locais.
Os super-tucanos devem ser utilizados pelas forças aéreas libanesas para operações de combate ao terrorismo e de manutenção fronteiriça –o Líbano é vizinho da Síria, engolida em uma guerra civil desde março de 2011, com mais de 500 mil mortos. O Líbano tem hoje uma diminuta frota aérea.

Avião Super Tucano, da Embraer. Crédito France Presse

Segundo o jornal libanês “Daily Star”, pilotos e pessoal de suporte receberam treinamento nos EUA nos últimos meses. O governo americano foi o responsável pela doação das aeronaves como parte de seu programa de apoio ao Exército libanês, e deve fornecer também sistemas de ataque que incluem mísseis guiados a laser, possivelmente acoplados aos A-29 da Embraer.
O material de divulgação da Embraer descreve o A-29 Super Tucano como:
[…] aeronave turboélice durável, versátil e potente capaz de executar uma ampla gama de missões de apoio aéreo tático, mesmo operando em pistas não preparadas. Devido ao seu projeto original, alta velocidade e grande capacidade de manobra, o Super Tucano é o único avião em sua classe cujo cockpit apresenta excelente visibilidade, sendo extremamente eficiente e pouco vulnerável. […] Com mais de 140 configurações de armamentos certificadas, o avião está equipado com tecnologias avançadas em sistemas eletrônicos, eletro-ópticos, infravermelho e laser, assim como sistemas de rádios seguros com enlace de dados e uma inigualável capacidade de armamentos.
O valor do contrato não é foi divulgado. Mas um acordo entre Embraer, Sierra Nevada e o governo americano travado em 2015 envolvendo 20 aviões foi estimado à época em US$ 428 milhões (o equivalente a R$ 1,3 bilhão). Procurada pelo Orientalíssimo blog, a Embraer não confirmou a entrega das aeronaves ao Líbano, feita diretamente pela Força Aérea dos EUA. O Super Tucano tem batido asas em diversos outros contratos, incluindo GanaMali, e os Estados Unidos.
http://orientalissimo.blogfolha.uol.com.br/2017/10/17/exercito-do-libano-recebe-primeira-leva-de-avioes-a-29-super-tucano-produzidos-pela-embraer/

Embraer Anuncia Encomenda de Seis A-29 Super Tucano para um Cliente Não Revelado



A Embraer anunciou hoje pedido firme de 6 (seis) aeronaves de ataque leve e treinamento avançado A-29 Super Tucano para um cliente não revelado. As aeronaves poderão ser utilizadas para treinamento tático e avançado bem como em missões de ataque leve e ISR (inteligência, vigilância e reconhecimento). As entregas serão concluídas em 2018.
O A-29 Super Tucano é uma aeronave turboélice durável, versátil e potente capaz de executar uma ampla gama de missões, mesmo operando em pistas não preparadas. Em mais de dez anos de operação, o Super Tucano já alcançou um excelente histórico de desempenho: mais de 320 mil horas de voo e mais de 40 mil horas de combate. Com mais de 150 configurações de armamentos certificadas, o avião está equipado com tecnologias avançadas em sistemas eletrônicos, eletro-ópticos, infravermelho e laser, assim como sistemas de rádios seguros com enlace de dados e uma inigualável capacidade de armamentos.

http://www.aviaorevue.com/aviacao-militar/embraer-anuncia-encomenda-de-seis-a-29-super-tucano-para-um-cliente-nao-revelado/